Notícias e Artigos

Nova resolução do Conselho Federal de Medicina regulamenta o exercício da telemedicina no Brasil

Na busca por adequar a regulamentação aos anseios da sociedade, o CFM publicou a Resolução nº 2.227/2018, ampliando o escopo de aplicabilidade da telemedicina
Luís Felipe Pilagallo da Silva Mader Gonçalves
31 de Maio, 2022

Autores: Juliano Pereira Barreto e Luís Felipe Pilagallo da Silva Mader Gonçalves

Com o avanço tecnológico e a democratização do acesso a dispositivos eletrônicos de comunicação, a interação social nas mais diversas esferas da vida pública e privada migraram do físico para o digital. No caso do acesso à saúde não foi diferente: os benefícios e facilidades do atendimento remoto fizeram surgir, de forma orgânica, crescente demanda por serviços de telemedicina.

Ainda em 2002, o Conselho Federal de Medicina (CFM) editou a Resolução nº 1.643/2002, a primeira a tratar expressamente sobre o tema em território nacional. Naquela oportunidade, o Conselho trouxe o conceito normativo inaugural de telemedicina, restringindo-a a atividades de assistência, educação e pesquisa.

Na busca por adequar a regulamentação aos anseios da sociedade, o CFM publicou a Resolução nº 2.227/2018, ampliando o escopo de aplicabilidade da telemedicina, entretanto, preocupações com a qualidade e segurança dos serviços prestados criaram resistências e críticas à norma editada, que culminaram na sua revogação pela Resolução nº 2.228/2019, restabelecendo-se a vigência da antiga Resolução CFM nº 1.643/2002.

Passado um ano, em meio à carência extraordinária de estrutura e pessoal para atender as demandas da crise sanitária causada pela COVID-19, o Congresso Nacional aprovou a Lei nº 13.989/2020, autorizando o uso provisório da telemedicina, em caráter emergencial, enquanto perdurasse a emergência sanitária no país. Assim, a autorização legislativa perdurou até a edição da Portaria n° 913 do Ministério da Saúde, que declarou o fim da emergência sanitária.

As transformações sociais intensificadas pela pandemia da COVID-19 tornaram o regramento restritivo da Resolução editada há 20 anos anacrônico à realidade. Neste cenário, foi publicada no dia 5 deste mês de maio a Resolução nº 2.314 do Conselho Federal de Medicina, visando a modernização da regulamentação da telemedicina em nosso ordenamento.

A nova Resolução, no espírito do seu tempo, define a telemedicina como "o exercício da medicina mediado por Tecnologias Digitais, de Informação e de Comunicação (TDICs), para fins de assistência, educação, pesquisa, prevenção de doenças e lesões, gestão e promoção de saúde".

Seguindo, a resolução prevê sete modalidades de teleatendimento com regramentos específicos, sendo elas: 

  • Teleconsulta: consulta médica não presencial, mediada por TDICs, com médico e paciente localizados em diferentes espaços.
  • Teleinterconsulta: troca de informações e opiniões entre médicos, com ou sem a presença do paciente, para auxílio diagnóstico ou terapêutico, clínico ou cirúrgico. 
  • Telediagnóstico:  ato médico a distância, geográfica e/ou temporal, com a transmissão de gráficos, imagens e dados para emissão de laudo ou parecer por médico com registro de qualificação de especialista (RQE) na área relacionada ao procedimento, em atenção à solicitação do médico assistente.
  • Telecirurgia: realização de procedimento cirúrgico a distância, com utilização de equipamento robótico e mediada por tecnologias interativas seguras, conforme disciplinado pela Resolução nº 2.311/2022 do CFM.
  • Teleconsultoria: ato de consultoria mediado por TDICs entre médicos, gestores e outros profissionais, com a finalidade de prestar esclarecimentos sobre procedimentos administrativos e ações de saúde.
  • Televigilância ou telemonitoramento: ato realizado sob coordenação, indicação, orientação e supervisão de parâmetros de saúde ou doença, por meio de avaliação clínica ou aquisição direta de imagens, sinais e dados de equipamentos ou dispositivos agregados ou implantáveis nos pacientes.
  • Teletriagem: realizada por um médico para avaliação dos sintomas do paciente, à distância, para regulação ambulatorial ou hospitalar, com definição e direcionamento do mesmo ao tipo adequado de assistência que necessita ou a um especialista.

Dentre as matérias de destaque, a Resolução recentemente publicada inova ao permitir que o primeiro atendimento seja realizado diretamente pela modalidade remota (teleconsulta), resguardada a autonomia médica por optar pela melhor forma de avaliar o paciente que julgar aplicável

A resolução reforça que os dados e imagens dos pacientes devem ser tratados conforme legislação vigente, em especial os dispositivos da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais – LGPD, pertinentes à integridade, à veracidade, à confidencialidade, à privacidade, à irrefutabilidade e à garantia do sigilo profissional das informações. Importante, portanto, destacar que os dados médicos e de saúde são definidos no art. 5º da LGPD como dados sensíveis, exigindo maior rigor no seu tratamento.  

A norma ainda prevê a necessidade de que o paciente ou seu representante legal autorizem o atendimento por telemedicina e a transmissão das suas imagens e dados por meio de consentimento livre e esclarecido, enviado por meio eletrônico ou de gravação da leitura do texto e concordância, que deverá fazer parte do Sistema de Registro Eletrônico de Saúde do paciente

O paciente também deve ter ciência das limitações do atendimento, inclusive da impossibilidade de avaliação física completa, com advertência a ser estabelecida previamente no referido Termo de Consentimento.

Em relação à atuação de empresas que prestam serviço de telemedicina, a resolução exige o registro dessa atividade junto ao respectivo Conselho Regional de Medicina – CRM da localidade onde estiverem sediadas, assim como dos terceiros responsáveis por plataformas de comunicação e guarda dos dados.

Acompanhando uma tendência internacional, a Resolução nº 2.311/2022 do CFM dá mais um passo na busca por segurança jurídica à atividade, além de fomentar o desenvolvimento de novas oportunidades de negócio e facilitar o acesso dos brasileiros à saúde. Caso tenha interesse em adequar suas práticas à Resolução, buscando processos seguros e eficientes para implementação das obrigações setoriais, entre em contato com a nossa equipe para que possamos lhe auxiliar.

 

Luís Felipe Pilagallo da Silva Mader Gonçalves
Advogado
Advogado da área de Tecnologia e Inovação Digital, trabalha nas implementações de Programas de Governança em Privacidade e Proteção de Dados. É coordenador do Grupo Permanente de Discussão em Privacidade e Proteção de Dados da Comissão de Inovação e Gestão (CIG) da OAB/PR e membro associado da IAPP - International Association of Privacy Professionals.
Compartilhar Postagem

Artigos Relacionados

10 de Junho | Artigos
por Marilia Bugalho Pioli

STJ Decide que o Rol da ANS é taxativo

No dia 08.06.2022 a 2ª Seção do STJ, por maioria de votos em aguardada decisão, definiu que o rol de procedimentos e eventos em saúde suplementar é, “em regra”, taxativo....
31 de Maio | Artigos
por Luís Felipe Pilagallo da Silva Mader Gonçalves

Nova resolução do Conselho Federal de Medicina regulamenta o exercício da telemedicina no Brasil

Na busca por adequar a regulamentação aos anseios da sociedade, o CFM publicou a Resolução nº 2.227/2018, ampliando o escopo de aplicabilidade da telemedicina...
30 de Maio | Artigos
por Alessandra Lucchese

Negociado sobre o legislado, e o potencial impacto do placar do STF sobre o segmento de transportes

O STF retomou o julgamento da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 381 que questiona decisões da Justiça do Trabalho....

Fale Conosco

Entre em contato pelo telefone (41) 3252.1052 ou envie sua mensagem pelo formulário ao lado.

Apenas arquivos PDF, DOC ou DOCX