Notícias e Artigos

Decisão do STF sobre Regularidade Fiscal de Empresas em Recuperação Judicial

O Supremo Tribunal Federal decidiu que é inadequado impedir a concessão da recuperação judicial do devedor em situação fiscal irregular
Gabriela Cristiano
07 de Dezembro, 2021

O Supremo Tribunal Federal decidiu que é inadequado impedir a concessão da recuperação judicial do devedor em situação fiscal irregular.

O Min. Dias Toffoli reexaminou o posicionamento do presidente do STF quanto à necessidade de apresentação da Certidão Negativa de Débito Tributário (CND) para demonstração de regularização fiscal para fins de concessão de recuperação judicial.

A decisão exarada pelo presidente do STF, Min. Luiz Fux, em caráter liminar, no âmbito da Reclamação Constitucional nº 43.169, ajuizada pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, suspendeu liminarmente os efeitos de acórdão da 3ª Turma do STJ que dispensava a apresentação, pelo devedor, de CND para a homologação de plano de recuperação judicial (Recurso Especial nº 1.187.404/MT). 

O Min. Dias Toffoli, ao decidir o mérito da questão, entendeu que o tema envolve interpretação de normas infraconstitucionais, dessa forma, correta estaria a decisão do STJ, no sentido de que a exigência de apresentação da CND revela-se inadequada, uma vez que, ao impedir a concessão de recuperação judicial aos devedores em situação de irregularidade fiscal, poderia levá-los à falência, impondo dificuldades ao próprio Fisco, haja vista que o crédito tributário encontra-se localizado apenas em terceiro lugar na ordem de preferência no âmbito de processos falimentares.

Consequentemente, o ministrou afastou a existência de repercussão direta no texto constitucional, apontando inexistir no caso situação caracterizadora de desrespeito ao enunciado constante da Súmula Vinculante nº 10 e do artigo 97 da Constituição Federal. 

Embora tenha sido interposto recurso da decisão pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, posteriormente houve o protocolo do pedido de desistência.

Sendo assim, no último dia 22, a desistência foi homologada pelo Min. Dias Toffoli, com a observação de que permaneceria sua decisão anteriormente proferida, prevalecendo o entendimento pacificado do STJ de que “dada a existência de aparente antinomia entre a norma do artigo 57 da LFRE e o princípio insculpido em seu artigo 47 (preservação da empresa), a exigência de comprovação da regularidade fiscal do devedor para concessão do benefício recuperatório deve ser interpretada à luz do postulado da proporcionalidade".

Gabriela Cristiano
Advogado
Advogada atuante em processos de recuperação judicial e falências, Gabriela trabalha em todas as etapas do direito recuperacional e falimentar, em defesa do interesse de credores, devedores e também apoiando na atividade de administração judicial. Associada do CMR (Centro de Mulheres na Reestruturação Empresarial) e membro da Comissão de Recuperação Judicial e Falência da OAB/PR.
Compartilhar Postagem

Artigos Relacionados

10 de Junho | Artigos
por Marilia Bugalho Pioli

STJ Decide que o Rol da ANS é taxativo

No dia 08.06.2022 a 2ª Seção do STJ, por maioria de votos em aguardada decisão, definiu que o rol de procedimentos e eventos em saúde suplementar é, “em regra”, taxativo....
31 de Maio | Artigos
por Luís Felipe Pilagallo da Silva Mader Gonçalves

Nova resolução do Conselho Federal de Medicina regulamenta o exercício da telemedicina no Brasil

Na busca por adequar a regulamentação aos anseios da sociedade, o CFM publicou a Resolução nº 2.227/2018, ampliando o escopo de aplicabilidade da telemedicina...
30 de Maio | Artigos
por Alessandra Lucchese

Negociado sobre o legislado, e o potencial impacto do placar do STF sobre o segmento de transportes

O STF retomou o julgamento da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 381 que questiona decisões da Justiça do Trabalho....

Fale Conosco

Entre em contato pelo telefone (41) 3252.1052 ou envie sua mensagem pelo formulário ao lado.

Apenas arquivos PDF, DOC ou DOCX