MADERO INVESTIRÁ R$ 120 MILHÕES PARA CONSTRUIR NOVAS FÁBRICAS EM PONTA GROSSA

Empresa vai ampliar o seu parque fabril para dar suporte à rede de restaurantes que deve encerrar o ano com 120 lojas

Cozinha do Madero, rede paranaense de restaurantes que quer encerrar o ano com 120 unidades Jonathan Campos – Gazeta do Povo

 

Para dar suporte ao crescimento da sua rede de restaurantes, o Madero vai investir R$ 120 milhões para construir novas fábricas e um novo centro de distribuição em Ponta Grossa, região dos Campos Gerais do Paraná. As unidades serão erguidas no mesmo terreno em que está a fábrica de hambúrgueres e carnes da empresa e serão entregues entre este e o próximo ano. O investimento prepara a rede paranaense para atender a demanda de até 350 restaurantes. A companhia tem, atualmente, 102 unidades em funcionamento.

Uma parte do novo pacote de investimentos do Madero está sendo aplicada neste ano. A empresa está investindo R$ 40 milhões para construir uma nova fábrica de molhos e sobremesas e um novo depósito para funcionar como Centro de Distribuição. A rede já tinha essas unidades, mas elas funcionavam de maneira improvisada em um espaço dividido com a fábrica de hambúrgueres e outras carnes. Agora, ganharão um espaço exclusivo e maquinário mais moderno. As obras devem ser concluídas até o fim de outubro.

A segunda etapa do plano de expansão acontecerá em 2018. No ano que vem, o Madero vai construir uma fábrica automatizada de pães. A unidade terá máquinas capazes de fazer pão sem variação de temperatura e contará, ainda, como câmera robotizada para congelamento dos pães. O investimento será de R$ 80 milhões e a fábrica deverá ser entregue até o fim do próximo ano.

Com os investimentos, o Madero passará da atual fábrica que tem hoje em Ponta Grossa para uma planta industrial com três unidades fabris e um centro de distribuição, tudo distribuído em um terreno de 81 mil metros quadrados. Segundo o fundador e presidente da rede de restaurantes, Junior Durski, essa expansão vai deixar o Madero pronto para atender a demanda de até 350 restaurantes.

O investimento está sendo custeado pelo próprio Madero, através de uma emissão de debêntures, ou seja, um título de dívida para custear o seu desenvolvimento. O título, no valor de R$ 140 milhões, foi comprado pela gestora de investimentos HSI, de São Paulo, sem a contrapartida de participação na empresa. O Madero terá carência de dois anos para começar a pagar a dívida.

40 novos restaurantes

A expansão do parque fabril foi motivada para atender o crescimento da rede de restaurantes Madero. A empresa vai inaugurar neste ano 40 novas lojas, sendo 16 em shoppings centers e 24 no formato contêiner, normalmente instalados em rodovias. Grande parte das aberturas será em São Paulo e Rio de Janeiro, ambos capitais.

Das 40 unidades previstas, 22 novos restaurantes já foram abertos entre janeiro e agosto deste ano. Com as inaugurações, o Madero deve encerrar com 120 unidades em funcionamento, um crescimento de 50% em relação ao fim do ano anterior.

Nova hamburgueria Jerônimo

A rede vai lançar, ainda, uma nova hamburgueria, chamada de Jerônimo. O novo restaurante terá como público-alvo a geração milênio, ou seja, pessoas nascidas entre 1980 e 1995. O principal produto será sanduíche de hambúrguer e o preço será mais barato do que no Madero. O atendimento também será mais rápido.

A primeira unidade será inaugurada em setembro, no Shopping Estação, em Curitiba. Outras duas deverão ser abertas até o fim do ano, em lugares ainda não revelados. As fábricas em Ponta Grosa serão responsáveis por abastecer a nova hamburgueria.

Verticalização foi chave para o crescimento

O crescimento do Madero está atrelado, em grande parte, à estratégia de verticalização implantada pela empresa a partir de 2015. Na época, a companhia inaugurou a sua fábrica de hambúrgueres e outros produtos em Ponta Grossa, com o objetivo de ter total controle sobre os custos e a qualidade dos produtos.

Dois anos mais tarde, Junior Durski avalia que a estratégia foi bem sucedida. Grande parte dos produtos servidos nos restaurantes da rede Madero é feita na fábrica em Ponta Grossa, o que garantiu à empresa controle sobre o processo de qualidade e redução de custos, já que controla a própria fabricação, feita em escala industrial, e não precisa comprar de terceiros.

A empresa verticalizou até a logística dos produtos. O Madero tem uma frota própria de 24 caminhões que saem de Ponta Grossa para abastecer todos os restaurantes da rede. Durski afirma que ter sua própria frota de frete sai 50% mais barato do que se fosse contratar um serviço terceirizado.

Crescimento do faturamento

Com novos restaurantes sendo inaugurados a cada ano e com processos próprios de produção e logística, o faturamento do Madero não para de crescer. No primeiro semestre deste ano, a empresa faturou R$ 314 milhões, valor 62% acima do registrado no mesmo período de 2016. A expectativa é encerrar o ano de 2017 batendo a marca de R$ 740 milhões em faturamento, objetivo que foi estipulado no início do ano.

Junior Durski afirma que a decisão de investir durante à crise — tanto na fábrica quanto na abertura de novos restaurantes — fez o consumidor escolher o Madero e, consequentemtente, a empresa crescer.

“Quando estava começando a crise, decidimos que não iríamos participar dela. Decidimos oferecer mais qualidade, aumentar o tamanho dos produtos e praticamente não subir o preço. Isso porque, durante a crise, a pessoa não pode errar na escolha do restaurante”, afirma Durski. “E o cliente escolheu o Madero”, completa o chef.

 

Fonte: http://www.gazetadopovo.com.br/economia/nova-economia/madero-investira-r-120-milhoes-para-construir-novas-fabricas-em-ponta-grossa-0n92zc7c989a94c37nr2hqv4k